30 de julho de 2015

Presente em três fonogramas, Maria Bethânia domina coletânea 'Acordes do Brasil'

Com ritmo desacelerado de lançamentos de CDs, a gravadora Biscoito Fino aposta cada vez mais em coletâneas com participações de grandes nomes da MPB.



Na sequência de Olivia Hime & amigos, compilação de duetos da cantora carioca com ícones da MPB, a companhia põe no mercado fonográfico neste mês de julho de 2015, em edição física em CD e em simultâneo formato digital, a inédita coletâneaAcordes do Brasil (capa vista à esquerda). Com 12 fonogramas selecionados no acervo da Biscoito Fino, a coletânea é dominada por Maria Bethânia (em foto de Gringo Gardia). A cantora baiana está presente em três das 12 gravações. Bethânia é ouvida nas músicas Vive(Djavan, 2012), São João, Xangô menino (Caetano Veloso e Gilberto Gil, 1976) e em Fogueira (Angela RoRo, 1983), esta ouvida em dueto recente com a compositora da música, gravado para os extras de DVD lançado em 2013 pela Biscoito Fino. Eis, na ordem do CD, os 12 fonogramas reunidos pela gravadora na compilação Acordes do Brasil:

UMA SENHORA COLETÂNEA

1. Vive (Djavan, 2012) - Maria Bethânia (com participação de Djavan)
2. Reza (Rita Lee e Roberto de Carvalho, 2012) - Rita Lee
3. Maracanã (Francis Hime e Paulo César Pinheiro, 1993) - Francis Hime
4. Que nem mandacaru (Moraes Moreira, 2012) - Moraes Moreira
5. São João, Xangô menino (Caetano Veloso e Gilberto Gil, 1976) - Maria Bethânia
6. João nos tribunais (Tom Zé, 2009) - Tom Zé
7. Medo de amar (Vinicius de Moraes, 1958) - Miúcha (com participação de Chico Buarque)
8. Modinha (Antonio Carlos Jobim e Vinicius de Moraes) - Antonio Carlos Jobim
9. Maravilha (Francis Hime e Chico Buarque, 1977) - Simone
10. Sinhá (João Bosco e Chico Buarque, 2011) - Chico Buarque
11. Molhado de suor (Alceu Valença, 1974) - Alceu Valença
12. Fogueira (Angela RoRo, 1983) - Angela RoRo (com participação de Maria Bethânia) 



Notas Musicais



29 de julho de 2015

COTAÇÕES: Dólar, Euro, Libra e Peso.

COMPRAVENDAVARIAÇÃO
Dólar com.3,36853,3690+0,15%
Dólar tur.3,34003,5600+0,56%
Euro3,71523,7198-0,41%
Libra5,25195,2573+0,37%
Pesos arg.0,36600,3667+0,14%

Fonte: Thomson Reuters

28 de julho de 2015

8º Festival de Cinema de Triunfo

O festival começa do dia 3 a 8 de agosto e vai distribuir 
R$ 40 mil em prêmios



Amantes do cinema e moradores do sertão do Pajeú vão mergulhar num intenso circuito de exibições, debates e oficinas audiovisuais. É que começa já na próxima semana, 3 de agosto, a 8ª edição de um dos mais charmosos e admirados festivais de cinema brasileiro, o Festival de Cinema de Triunfo. Trinta e quatro filmes, de onze estados brasileiros, vão integrar as mostras competitivas e concorrer a uma premiação total de 40 mil reais.


Até o sábado, 8 de agosto, o evento vai ocupar um dos mais belos cinemas de rua do estado, o Cine Theatro Guarany, e homenagear duas personalidades que tanto contribuíram para os atuais prestígio e êxito do cinema pernambucano: Fernando Monteiro e Kátia Mesel. Fernando é escritor e cineasta, um dos principais nomes da chamada “Geração 65”, movimento literário contracultural originado em Jaboatão dos Guararapes e que até hoje inspira artistas das mais diversas linguagens e expressões culturais. Kátia é artista gráfica, arquiteta e primeira mulher cineasta de Pernambuco a participar de um festival de cinema nacional – a II Jornada de Cinema da Bahia, em 1973. Seu documentário Recife de Dentro pra Fora é o curta-metragem em 35mm, mais premiado da década de 90.

A grade de debates e oficinas, diferencial que tem contribuído para o fomento e a sustentabilidade da nossa produção audiovisual, também é destaque este ano. Para o secretário estadual de Cultura, Marcelino Granja, “a nova edição do festival reafirma seu papel de difundir e valorizar o cinema contemporâneo, mas olha pra frente e também assume a responsabilidade de contribuir para a formação de novos realizadores e críticos na área”.

Além de dois seminários e um Master Class com o diretor Hilton Lacerda, a programação deste eixo vai oferecer oficinas gratuitas de “Mídias Móveis”, com Marlom Meirelles; “Elaboração de Projetos para o Funcultura do ponto de vista da Produção Executiva” e Direção para Documentários”, com Marcelo Pedroso, esta última fruto de uma parceria institucional com o Centro de Audiovisual Norte e Nordeste (Cannes/Fundação Joaquim Nabuco). Além do já tradicional minicurso de “Crítica de Cinema”, do qual estudantes e professores da rede pública saem para compor o Júri Popular do festival.

De acordo com Márcia Souto, presidente da Fundarpe, “outra diretriz do evento é incluir novos públicos, ir além dos espaços tradicionais das salas de cinema e de aula”. Nesse sentido, além das mostras competitivas e especiais (Animage, Stop Motion e Museu do Cais do Sertão), também vão acontecer, em parceria com o Sesc, sessões itinerantes do Cinema na Estrada (mostra Cine Jardim), que vai alcançar moradores de bairros/distritos mais afastados do centro de Triunfo e até um outro município, Santa Cruz da Baixa Verde. “Fortalecer a cadeia do audiovisual em Pernambuco não se trata apenas de ampliar os recursos do Funcultura Audiovisual, por exemplo, mas contribuir para que o cinema esteja cada vez mais no dia a dia de todos os pernambucanos”, complementa a presidente.

As mostras competitivas do 8º Festival de Cinema de Triunfo foram compostas por produtos enviados à convocatória nacional específica do evento, que registrou recorde no número de inscrições. Para a coordenadora geral do festival, Milena Evangelista, “o aumento no número de cineastas interessados em concorrer nas mostras de Triunfo revela o lugar de destaque que o festival ocupa hoje no circuito nacional”. Uma das novidades da convocatória de 2015 foi permitir a inscrição virtual dos filmes, o que também contribuiu para este acréscimo, tendo em vista que realizadores de 21 estados brasileiros participaram do processo de análise.

O Festival de Cinema de Triunfo é uma realização do Governo de Pernambuco, através da Secretaria de Cultura e Fundarpe, em parceria com a Prefeitura de Triunfo e o Serviço Social do Comércio. O troféu do Festival é o Caretas, em homenagem às figuras centenárias que saem no carnaval pelo Sertão do Pajeú. Há ainda o troféu Fernando Spencer, concedido ao melhor curta-metragem filmado em Pernambuco.

PROGRAMAÇÃO GERAL
Local: Cine Theatro Guarany
Entrada Gratuita

SEGUNDA-FEIRA – 3/8

20h – Cerimônia de Abertura

Exibição Especial
Filme de Percussão Mercado Adentro (Documentário, 1975, 15 minutos, PE), de Fernando Monteiro

Homenagem ao cineasta e escritor Fernando Monteiro

Mostra Competitiva de Longa-metragem
Classificação: 14 anos
Permanência (Ficção, 2014, 90 minutos, PE), de Leonardo Lacca

TERÇA-FEIRA – 4/8

14h – Mostra Especial Festival Animage
Classificação: Livre

15h – Mostra Competitiva de Curta-metragem Nacional
Classificação: 14 anos
O Canto da Lona (Documentário, 2013, 25 minutos, SP), de Thiago B. Mendonça
Até à China (Animação, 2015, 15 minutos, RJ), de Marão
Tereza (Ficção, 2015, 12 minutos, PR), de Maurício Baggio
Onde vivem os monstros (Documentário, 2015, 10 minutos, CE), de Ythallo Rodrigues

20h – Mostra Competitiva de Longa-metragem Nacional
Classificação: Livre
Mais do que eu possa me reconhecer(Documentário, 2015, 72 minutos, RJ), de Allan Ribeiro

QUARTA-FEIRA – 5/8

14h – Mostra Especial Festival Stopmotion
Classificação: Livre

15h – Mostra Competitiva de Curta-metragem Nacional
Classificação: 16 anos
Ilha (Ficção, 2014, 15 minutos, PB), de Ismael Moura
O Extraordinário Caso do Sr. A (Animação, 2014, 12 minutos, MG), de Jackson Abacatu
Com fome no fim do mundo Remix (Ficção, 2014, 20 minutos, BA), de Marcus Curvelo
Nua por dentro do couro (Ficção, 2014, 21 minutos, MA), de Lucas de Sá

20h – Mostra Competitiva de Longa-metragem Nacional
Classificação: 10 anos
Brasil S/A (Ficção, 2014, 71 minutos, PE), de Marcelo Pedroso

QUINTA-FEIRA – 6/8

14h30 – Mostra Competitiva Infanto-Juvenil
Classificação: 12 anos
Doce de Goiabada (Ficção, 2014, 14 minutos, DF), de Fernanda Rocha
O Fim do Verão (Ficção, 2015, 14 minutos, PR), de Caroline Biagi
Algum Lugar no Recreio (Ficção, 2014, 22 minutos, SP), de Caroline Fioratti

15h30 – Mostra Competitiva de Curta-metragem Pernambucano
Classificação: 14 anos
Bajado (Documentário, 2015, 19 minutos), de Marcelo Pinheiro
Ihiato – Narrativas dos Anciãos Fulni‐ô (Documentário, 2015, 15 minutos), de Elvis Ferreira de Sá
Stop Motion (Ficção, 2014, 7 minutos), de André Pinto e Henrique Spencer
Diva (Ficção, 2015, 16 minutos), de Luiz Rodrigues Jr.

20h – Mostra Competitiva de Longa-metragem Nacional
Classificação: 10 anos
O Gigantesco Ímã (Documentário, 2015, 72, PE), de Petrônio de Lorena e Tiago Scorza

SEXTA-FEIRA, 7/8

14h30 – Mostra Competitiva Infanto-Juvenil
Classificação: Livre
Salu e o Cavalo Marinho (Animação, 2014, 14 minutos, PE), de Cecília da Fonte
O filme de Carlinhos (Ficção, 2014, 20 minutos, BA), de Henrique Filho
Procura-se (Ficção, 2014, 12 minutos, SP), de Jessica Lopes

15h30 – Mostra Competitiva de Curta-metragem Pernambucano
Classificação: 16 anos
Avenida Presidente Kennedy (Documentário, 2014, 16 minutos), de Adalberto Oliveira
História Natural (Ficção, 2014, 12 minutos), de Júlio Cavani
O que se Memora (Documentário, 2014, 10 minutos), de Caio Dornelas e Ernesto
Rodrigues
João Heleno dos Brito (Ficção, 2014, 20 minutos), de Neco Tabosa
Loja de Répteis (Ficção, 2014, 17 minutos), de Pedro Severien

20h – Exibição Especial
O Mago das Artes (Documentário, 2014, 23 minutos, PE), de Kátia Mesel
Homenagem à cineasta Kátia Mesel

Mostra Competitiva de Longa-metragem Nacional
Classificação: 16 anos
O tempo não existe no lugar em que estamos(Ficção, 2014, 77 minutos, MG), de Dellani Lima

SÁBADO – 8/8

14h – Mostra Especial Cais do Sertão
Classificação: Livre
4Kordel (Ficção, 2013, 13 minutos, PE) – 2013, de Lírio Ferreira
Lua (Ficção, 2013, 17 minutos, PE) – 2013, de Paulo Caldas

14h30 – Exibição Especial
Classificação: Livre
Papo Amarelo – O primeiro tiro (Ficção, 2015, 15 minutos, PE), de Anildomá Willans de Souza

15h – Mostra Competitiva dos Sertões
Classificação: 14 anos
Malassombro – Contos do além Sertão(Documentário, 2014, 19 minutos, PE), de Djaelton Quirino
O Beato Kaji (Ficção, 2015, 20 minutos, RN), de Josenira Fraga e Kaiony Venâncio
A Lenda do Pai Inácio ou Kokumo (Ficção, 2015, 20 minutos, PE), de Marcos Carvalho
Chico Santeiro: Do Homem ao Santo(Documentário, 2014, 18 minutos, PE), de Daniel Figueiredo
No Rastro da Espoleta 3 (Ficção, 2014, 20 minutos, PB), de Bonerges Guedes e Vinicius Guedes
Um Simples Olhar (Ficção, 2015, 15 minutos, PE), Direção Coletiva

20h – Cerimônia de Premiação
Lançamento do Livro “Na Quadrada das Águas Perdidas”

Exibição Especial
Classificação: 14 anos
A História da Eternidade (Ficção, 2014, 120 minutos, PE), de Camilo Cavalcanti

ENCONTROS DE CINEMA

QUINTA-FEIRA, 6/8
17h – Seminário Kinepolitks – Cinema Político e Políticas para Cinema
Realização: ABD/PE
Local: Auditório da Câmara de Vereadores de Triunfo.

SEXTA-FEIRA, 7/8
17h – Master Class com Hilton Lacerda
Local: Cineteatro Guarany

SÁBADO – 8/8
17h – Seminário: Desafios e perspectivas para os Cinemas de Rua do Estado
André Brasileiro – Gerente de Equipamentos Culturais da Secult/PE
Geraldo Pinho – Programador do Cinema São Luiz
Evanildo Mariano – Programador do Cine São José
Kate Marinho – Arquiteta e Pesquisadora
Glaudemylton Alves – Programador Cine Rio Branco
João Luiz Vieira – Professor de Cinema/UFF
Luiz Joaquim – Programador do Cinema da Fundação

Mediação: André Dib – Jornalista
Local: Auditório da Câmara de Vereadores de Triunfo.

CINEMA NA ESTRADA

Em parceria com o Sesc Triunfo
Mostra Especial Cine Jardim
Classificação Livre

Dia:04/8 – Bairro do Rosário
Dia 05/8 – Bairro de Jericó
Dia 06/8 – Bairro de Canaã
Dia 07/8 – Santa Cruz da Baixa Verde


Secult/Fundarpe

21 de julho de 2015

Casal é baleado durante show no 25° Festival de Inverno de Garanhuns de 2015

Um casal foi baleado na noite desta segunda-feira durante show da banda Devotos, na Praça Cultural Mestre Dominguinhos (antiga Guadalajara)

De acordo com a Polícia Militar, um único tiro teria sido disparado. A bala atingiu um homem na perna e uma mulher, de raspão, na altura do braço. O autor do disparo não foi identificado. Ninguém foi preso até o momento.

Os feridos foram socorridos pelo Samu e encaminhados para o Hospital Dom Moura, no mesmo município. De acordo com a equipe de serviço social do Hospital Dom Moura, os pacientes foram identificados como José Carlos Firmino, de 22 anos e Janaína Mendes da Silva, de 28 anos. Os dois permanecem em observação e passam bem.

A ocorrência foi registrada pelo Batalhão da Polícia Militar e encaminhado para a Delegacia do Turista, que funciona de modo itinerante durante o evento, diariamente, a partir das 19h. De acordo com a delegacia regional de Garanhuns, a especializada está responsável por todas as ocorrências registradas durante o festival.

A prefeitura divulgou uma nota oficial sobre o caso e informou que irá realizar nesta terça-feira uma reunião com representantes da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe) e Polícia Militar (PM) para analisar o ocorrido em conjunto e garantir da segurança do público do evento.

Confira o documento na íntegra:

"Sobre o registro de pessoas feridas durante os shows dessa segunda-feira (20) do 25º Festival de Inverno de Garanhuns (FIG), na Praça Cultural Mestre Dominguinhos, o Governo Municipal lamenta o ocorrido e salienta que, através de reuniões de planejamento realizadas com os órgãos de segurança, havia ressaltado uma grande preocupação sobre o dia de hoje. A Prefeitura, por meio da Secretaria de Turismo, informa, também, que solicitou uma reunião com a Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe) e Polícia Militar (PM) para analisar, em conjunto, nesta terça-feira (21), o ocorrido, visando à garantia da segurança do público desse grandioso evento."






Diário de Pernambuco

Eduardo Cunha desengaveta 11 pedidos de impeachment contra Dilma

Logo após anunciar o rompimento com o governo, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) desengavetou 11 pedidos de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. Um deles é de autoria de Jair Bolsonaro (PP-RJ). Acusado de corrupção, o presidente da Câmara tem falado em 'vingança' e que 'não vai se ferrar calado'

Eduardo Cunha desengaveta pedido de impeachment contra Dilma protocolado por Jair Bolsonaro

Depois de anunciar rompimento pessoal com o governo, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), despachou nesta sexta-feira (17) 11 pedidos de atualização de impeachment já apresentados à Secretaria Geral da Mesa contra a presidente Dilma Rousseff. Um dos protocolos [imagem acima] foi feito pelo deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), e os demais partiram de cidadãos de diversas localidades do país.

O deputado Bolsonaro formalizou em março o pedido de cassação de Dilma. Na argumentação do requerimento, o parlamentar fluminense acusou a presidenta de ter responsabilidade nos desmandos praticados na Petrobras e desvendados pela Operação Lava Jato, investigação que tem Cunha entre os alvos.

“Fica Vossa Excelência notificado para, no prazo de 10 (dez) dias, emendar a denúncia referida em epígrafe, adequando-a aos requisitos da Lei n. 1079/1950 e do Regimento Interno da Câmara dos Deputados”, notifica Cunha, no ofício encaminhado a Bolsonaro e aos demais cidadãos, obviamente alterado o pronome de tratamento para os outros 11 subscritores.

A atitude de Cunha revela um claro sinal de desespero: considera que apoiar um eventual impeachment da presidente Dilma Rousseff seja sua possível tábua de salvação. Nos bastidores,Cunha tem falado em ‘explodir o governo’.

Afastamento

Nos próximos dias, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pode pedir seu afastamento da presidência da Câmara dos Deputados. No depoimento prestado ao juiz Sergio Moro, Júlio Camargo também disse ter medo de que Cunha pudesse fazer mal à sua família.

Antes de ser acusado de corrupção, Cunha dizia que eventual impeachment da presidente Dilma Rousseff transformaria o Brasil numa “republiqueta de bananas”.

Vingança

Para Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a presidente Dilma Rousseff deveria ter atuado nos bastidores junto à Procuradoria Geral da República para que as denúncias de corrupção que lhe atingem em decorrência das investigações na Lava Jato não fossem adiante. Com o avanço das investigações, o presidente da Câmara se viu acuado e decidiu voltar-se contra o planalto. Acusado de receber milhões de dólares em propina, Eduardo Cunha fez um pronunciamento público nesta sexta-feira em rede nacional, mas não citou os escândalos de corrupção.





Fonte: Pragmatismo Político

18 de julho de 2015

Ave Sangria faz Show hoje no Festival de Inverno de Garanhuns 2015

No Palco Pop do FIG hoje ás 21:30h. a Banda Ave Sangria mostrará o seu grande Show esperado por muitos fãs 

Capa do primeiro e único disco da Banda

Ave Sangria é um conjunto musical brasileiro de Rock Psicodélico, um dos principais expoentes da cena musical psicodélicapernambucana dos anos 1970, junto com Alceu Valença, Flaviola e o Bando do Sol, Lula Côrtes, Marconi Notaro e Lailson.

Inicialmente chamado de Tamarineira Village, o conjunto mudou de nome por sugestão de uma cigana que os integrantes conheceram no interior da Paraíba. Era formado por Marco Polo (vocais), Ivson Wanderley (guitarra solo e violão), Paulo Raphael (guitarra base, sintetizador, violão, vocal), Almir de Oliveira (baixo), Israel Semente (bateria) e Agrício Noya (percussão). Seu trabalho mais conhecido é o álbum Ave Sangria de 1974.

O grupo foi alvo da censura do governo militar. A ilustração da capa do primeiro e único disco da banda sofreu modificações, sendo definida pelos integrantes como um "papagaio drag queen".

Certamente a Banda fará uma homenagem ao seu ex-guitarrista que faleceu a pouco mais de 01 mês no dia 12 de junho de 2015 aos 62 anos, Ivson Wanderlei Pessoa, o Ivinho, lendário guitarrista da banda Ave Sangria, que Desde do dia 4 de junho estava internado no Hospital Oswaldo de Freitas, na Zona Oeste do Recife, o músico faleceu devido à falência múltipla de órgãos, decorrente de uma hemorragia digestiva.




Wilson Pessoa

COTAÇÕES: Dólar, Euro, Libra e Peso.

COMPRAVENDAVARIAÇÃO
Dólar com.3,19233,1939+1,13%
Dólar tur.3,17003,3700+1,2%
Euro3,45133,4541+0,6%
Libra4,97544,9787+1,05%
Pesos arg.0,34910,3494+1,1%

Fonte: Thomson Reuters

13 de julho de 2015

Alerta: uma pequena “Era do Gelo” poderá ocorrer na Terra nos próximos 15 anos, afirma cientista


Um novo modelo de observação que prevê que os ciclos solares com a maior precisão possível, sugeriu que a atividade solar vai cair em 60% entre 2030 e 2040, o que significa que em apenas 15 anos, a Terra poderia passar pelo que os pesquisadores estão chamando de uma “mini era do gelo”.

Essa baixa atividade solar não tem sido vista desde a última mini era do gelo, conhecida como Mínimo de Maunder, que mergulhou o hemisfério norte, em particular, em uma série de invernos amargamente frios entre 1645 e 1715.

A previsão é baseada no que é conhecido como “batimento cardíaco de 11 anos do Sol”. A atividade solar não é a mesma ano após ano, alterando-se ao longo de um ciclo que dura entre 10 e 12 anos. Desde que estes ciclos foram descobertos, há 172 anos, os cientistas têm lutado para prever a semelhança entre cada um deles.

Apenas na semana passada, no Encontro Nacional de Astronomia, realizado no País de Gales, a professora de matemática Valentina Zharkova, da Universidade de Northumbria, no Reino Unido, apresentou um novo modelo que pode prever a semelhança entre esses ciclos solares, com base nos efeitos dínamo presentes nas duas camadas do Sol. Zharkova diz que ela pode prever a sua influência com uma precisão de 97%.


Os efeitos dínamo são parte de uma teoria geofísica que explica como o movimento do núcleo externo da Terra movimenta o material condutor, como o ferro líquido, através de um campo magnético fraco para criar uma corrente elétrica. Esta corrente elétrica também interage com o movimento de fluido por baixo da superfície da Terra, criando dois campos magnéticos ao longo do eixo de rotação.

Quando o modelo de Zharkova foi aplicado nesta teoria sobre o Sol, ela desenhou suas previsões assumindo que existem efeitos dínamo em duas camadas subterrâneas - uma profunda, ainda baixo da zona de convecção, e outra perto da superfície, cada uma oscilando entre os hemisférios norte e sul.

"Nós encontramos componentes de ondas magnéticas que aparecem em pares, originários de duas camadas diferentes no interior do Sol. Ambos têm uma frequência de aproximadamente 11 anos, embora esta frequência seja um pouco diferente, e eles são compensados ​​no tempo. Combinando as ondas e comparando com dados reais para o atual ciclo solar, descobrimos que as nossas previsões possuem precisão de 97%", explicou Zharkova na conferência.

Analisando esses padrões de ondas magnéticas, o modelo previu que haveriam poucas manchas solares ao longo dos próximos dois batimentos cardíacos de 11 anos - chamados de ciclo 25, com previsão para acontecer em 2022, e Ciclo 26, entre 2030 e 2040.

"No ciclo 26, as duas ondas serão exatamente iguais uma a outra, com pico ao mesmo tempo, mas em hemisférios opostos do Sol. Sua interação será disruptiva, podendo se anularem mutuamente. Prevemos que isso levará as propriedades a um ‘mínimo de Maunder’”, disse Zharkova.

Durante o evento original de Mínimo de Maunder, toda a extensão do rio Tâmisa ficou congelada, na Inglaterra. Apesar da nova observação, ainda não se sabe muito bem os efeitos que a nova ‘mini Era do Gelo’ poderia causar na Terra.




Jornal Ciência/Science Alert 
Foto: Divulgação




12 de julho de 2015

Quinze exposições movimentarão a Casa Galeria Galpão durante o FIG

Ações de artes visuais, fotografia, design e moda vão ocupar o espaço entre os dias 19 e 25/7. A Casa Galeria Galpão funcionará das 16h às 21h.

Edmar Melo/Secult-PE/Fundarpe

Além de exposições, a Casa Galeria Galpão será ocupada com performances e uma roda de diálogo.

Antiga sede do Fórum de Garanhuns, a Casa Galeria Galpão se transforma, durante o Festival de Inverno, em um grande centro das artes neste período do ano. Na programação do espaço deste ano, o público poderá conferir 15 exposições permanentes, que contemplarão artes visuais, fotografia, design e moda, além de uma série de performances e uma roda diálogo sobre arte contemporânea, com os artistas visuais Beth da Mata e Marcelo Silveira. A abertura oficial da Casa acontecerá no dia 19/7, e as atividades vão seguir até o dia 25/7, das 16h às 21h.

Artes Visuais
“A maioria dos artistas escolhidos para expor na Galeria Galpão foi ranqueada e pontuada pela Comissão de Análise de Mérito – criada especialmente para o FIG 2015. Convidamos um ou outro participante, como Paulo Meira, para integrar nossas exposições e, dentro da própria Comissão, surgiu a ideia de promover uma atividade de formação com os artistas, que batizamos de Diálogo Ex-Positivo. Esse bate-papo com os artistas Beth da Mata, Marcelo Silveira e o nosso coordenador, Márcio Almeida, tratará sobre temas ligados à arte contemporânea e, prioritariamente, com questões que são primordiais na produção/proposição de um projeto nessa área”, disse Ellen Meireles, assistente da Coordenadoria de Artes Visuais, sobre a programação.

Nas salas e nos vãos da Casa Galeria Galpão, os visitantes vão poder ver a exposição Sonhadores, de Daaniel Araújo, que apresenta como eixo temático o sonho e a dimensão do sonhador. No espaço, ele irá apresentar uma mostra que trará representação de pessoas adormecidas, em quatro painéis inéditos, e outros elementos que remetem ao ato de sonhar. Além disso, durante o festival, o artista recolherá, através de arquivos de áudio coletados pelo Whatsapp, com os visitantes do FIG, narrativas de histórias sonhadas, que serão reproduzidas durante os dias em que a instalação estiver montada. “As pessoas podem enviar, desde já, seus sonhos através deste número (81)99814.7335. Como quero que as pessoas partilhem de uma experiência coletiva, esses áudios serão reproduzidos no meio da sala, tal qual fosse uma conversa entre quem mandou o arquivo e quem irá conferir a mostra”, disse Araújo.

Outro destaque é o intercâmbio que irá acontecer entre os artistas Adones Valença e Paulo Meira, na instalação work in progress Sesibicidades. Iniciada em 2013, o trabalho surgiu a partir de um mapeamento da área central de Garanhuns, e resultou em diversas criações que, através do universo popular, questionam o entendimento do que é arte na contemporaneidade. “A presença de Paulo Meira, como convidado dessa experimentação artística, visa promover um dialógo entre a obra de cada um deles e também assegurar o conceito work in progress proposto por Adones à curadoria. Eles adoraram a ideia e já estão trocando ideias sobre o que vão exibir por lá”, adiantou Ellen.

Já os artistas pernambucanos Marcela Camelo, Izidorio Cavalcanti, Charles Martins e Bruno Vieira irão mostrar, em Para vender Utopias, um combo de exposição, performances, instalações e intervenções urbanas que, com elementos da rua, promoverão uma ponte a Casa Galeria Galpão e os espaços públicos de Garanhuns. “Somos um grupo de quatro artistas que, embora tenhamos propostas de trabalhos completamente diferentes, encontram na rua e no comércio, por isso o nome Para vender Utopias, substrato para suas artes. Queremos estabelecer uma conexão entre o que acontece na rua e a Casa Galeria Galpão”, contou Marcela Camelo.

Entre as performances e intervenções programadas, estão: a do artista Roberto Jaffier, que, no dia da abertura do espaço (dia 19/7, às 19h), irá mostrar um extrato de sua instalação Criador de Memórias, a partir de dispositivos sonoros e projetivos; a intervenção urbana de Leandro Iván Oliván, Contato Sonoro, que acontecerá no entorno da Casa Galeria Galpão (dia 19/7, às 18h30), e estabelecerá a condutividade dos corpos humanos, através de contatos na mesma frequência; e Não estou aqui, do artista garanhunense Clóvis Teodorico (dia 19/7, às 16h), que realizará várias intervenções pelas ruas e principais polos da cidade. Destaca-se ainda a exposição Olhar, do artista Rubens Costa, de Garanhuns, que fará um passeio por diversos momentos de sua trajetória artística.

Design e Moda
A Casa Galeria Galpão também abrigará cinco exposições de Design e Moda: Lendas Vivas, do artista potiguar Andrey Salvador; Estampado na Cidade, de Thalita Medeiros (Goaiana/PE); ContraFluxo, de Caio Lobo (Garanhuns/PE); DÊ-BÔ-TÊ, de Zé Lucas (Garanhuns/PE); Tempo Grão, de Katarina Barbosa (Garanhuns/PE). “Assim como em Artes Visuais, grande parte dos nossos trabalhos selecionados para o FIG 2015 foram escolhidos pela Comissão (de Análise de Mérito Cultural). Para dar uma equilibrada entre moda e design, o único artista que convidamos foi o jovem garanhunense Caio Lobo, que apresentará uns móveis conceituais que produz desde muito novo”, disse Ana Lira, assistente da Coordenadoria de Design e Moda.

Victor Jucá/Secult-PE/Fundarpe

“Essa é a primeira vez que apresento meu trabalho em Pernambuco. E não vou negar que estou bastante ansioso com a receptividade do público. Espero que os visitantes gostem dos looks que criei inspirados nas lendas contadas no Nordeste”, disse Andrey Salvador, responsável pela mostra Lendas Vivas. Com dez peças, o designer, que é do Rio Grande do Norte, criou uma exposição baseada em vários contos da cultura popular, como Viúva Machado (RN), a Mulher de Branco, o Carro de Boi, a Coruja da Igreja Matriz (presentes e contadas de diferentes formas em vários Estados nordestinos) e a Cobra da Lagoa de Extremoz (RN). “Usei penas, tecidos leves e fluídos, como algodão e seda, e tecidos mais estruturados, como organza e camurça, para recriar roupas que, embora não sejam tipicamente características dessas regiões, dialogam bem com o imaginário dos espaços onde essas lendas são contadas”, disse Salvador.

Em DÊ-BÔ-TÊ, do garanhunense Zé Lucas, os visitantes poderão conferir uma mostra que apresenta a maquiagem não só como uma forma de embelezamento, mas também de adorno e expressão artística. A ação conta com fotos e vídeos das maquiagens criadas para o projeto, assim como uma ferramenta na qual o público poderá interagir.

Também de Garanhuns, a designer Katarina Barbosa criou, para Tempo Grão, uma peça que usa a memória como referência. “Esse look foi criado a partir de um poema da autora pernambucana Cida Pedrosa, Grace, contido no livro As Filhas de Lilith, que retrata a história de quatro gerações de mulheres, através do café. O café é o link, é o canal da memória afetiva, que liga a vida dessas personagens, desde a colheita do grão ao café expresso servido no copo descartável”, disse sobre o projeto que pretende transformar numa coleção. “Essa primeira é parte de um projeto que quero criar e lançar em janeiro do ano que vem. Como sou do interior, pretendo criar um vídeo-fashion do processo de criação dessa coleção e, assim, alcançar mais pessoas e oferecer ao trabalho uma perenidade maior”, adiantou.

Único convidado da área de Design e Moda, o designer Caio Lobo irá mostrar que é possível misturar artes plásticas à criação de móveis, em ContraFluxo. Com 28 anos, o artista de móveis, como prefere ser definido, exibirá suas peças que utilizam materiais e técnicas pouco comuns ao universo do design de produtos, e mostrará que é possível fugir da convencionalidade quando o assunto é design de produtos.

Na exposição/intervenção Estampado da Cidade, a designer goianense Thalita Medeiros propõe uma ação de vivência em que os participantes poderão observar de maneira mais cuidadosa as peculiaridades e o patrimônio material de Garanhuns, através de uma visita guiada por um morador da cidade. Os participantes irão fotografar os aspectos que lhes chamaram atenção, e que podem ser analisados e transformados em moldes para aplicação em diversas superfícies por meio da técnica de estêncil. Por fim, o resultado desses moldes vão formar um painel que será construído para ser exposto na Casa Galeria Galpão.

Fotografia

Na área de fotografia, a Casa Galeria Galpão receberá três mostras e um projeto interativo: No Sertão dos Gerais, da jornalista e fotógrafa paulista Ana Caroline de Lima; Vivências: Pernambuco – Alagoas, de Luciana Ourique; A Praia, da pernambucana Marina Feldhues; e o @FIGmatik, do recifense Iezu Kaeru.


No Sertão dos Gerais retrata a vida dos moradores de seis municípios mineiros
Ana Caroline de Lima/Divulgação

Premiado como melhor Ensaio Documental e Melhor Imagem Individual, no 2º Festival Théo Brandão de Fotografias e Filmes, de Alagoas, No Sertão das Gerais, de Ana Caroline de Lima fez um mapeamento imagético dos moradores das regiões Norte e Noroeste de Minas Gerais, a fim de descobrir como eles têm feito para se desvencilhar da seca que tem ultimamente assolado essas áreas. “Esses moradores viam, nas veredas que haviam nessas regiões, uma garantia de sobrevivência – caracterizada por solos pantanosos e cercados de vegetação nativa. As veredas costumavam ser conhecidas como as caixas d’água do Sertão e, hoje, com essa seca, essas áreas estão cada vez mais raras. Os moradores dos municípios de Januária, Urucuia, Bonito de Minas, Arinos e Riachinho e do vilarejo de Ribeirão de Areia, outrora berços de grandes veredas, atualmente têm de andar longas distâncias à procura de água. Quis percorrer esses vilarejos do sertão mineiro para retratar e conhecer personagens que transmitam o espírito sertanejo de resiliência e a forma que eles encontraram para se adaptar à falta d’água”, disse Ana Caroline a respeito das 20 imagens que exibirá no FIG.

Pensado especialmente para essa 25ª edição do Festival de Inverno, o projeto interativo @FIGmatik, de Iezu Kaeru, revela/apresenta/discute as mudanças pelas quais a fotografia vem passando nesses últimos anos, graças à popularização dos dispositivos móveis, como smartphones e máquinas digitais, e às redes sociais. “Através do Instagram, rede de compartilhamento de fotos, o FIGmatik irá fotografar as pessoas de um modo criativo, durante o Festival, tanto moradores quanto turistas, utilizando a técnica do retrato. Os muros de Garanhuns servirão como pano de fundo das imagens que serão publicadas diariamente na nossa conta no Instagram. Utilizando um iPhone 6, irei abordar pessoas nas ruas, criar retratos e estabelecer um diálogo explicativo sobre a obra, bem como estimulá-las a compartilhar seus retratos com a hastag #FIGmatik. A ideia é estimular essa interação entre os moradores de Garanhuns com sua própria cidade, com sua arquitetura, seus habitantes, seus hábitos e, principalmente, sua cultura e identidade”, afirmou Iezu. Os retratos do projeto serão materializados num catálogo, que será distribuído gratuitamente no dia do encerramento da Casa Galeria Galpão. “Queremos materializar numa publicação impressa a memória do Festival retratada por vários olhares”, finalizou o idealizador.

Doze imagens comporão a exposição A Praia, da recifense Marina Feldhues /Divulgação

Propondo-se a fugir do que estamos acostumados a ver sobre imagens do mar e lugares paradisíacos, a fotógrafa pernambucana Marina Feldhues, na inédita A Praia, criou uma série fotográfica tal qual a praia se apresenta em seus sonhos: “densa, misteriosa, quase outro planeta, outra dimensão”. “Como se trata de uma mostra cuja temática tem um cunho bem pessoal, criei uma atmosfera bem onírica, da qual a localização de tomada das fotos não são reveladas, justamente para não passar a ideia de um ensaio fotográfico de uma praia específica e, sim, um ensaio que estabelecesse um conceito de praia do qual estamos desabituados a ver por aí”, afirmou sobre as 12 imagens que compõem sua mostra. 

Inédita em nosso Estado, a mostra Vivências: Pernambucos-Alagoas já foi exibida no Museu da Imagem e do Som (MISA) 
Luciana Ourique/Divulgação

Por fim, a pernambucana Luciana Ourique exibirá a exposição Vivências: Pernambucos-Alagoas. Contemplada pelo Funcultura, em 2011, as 34 imagens revelam a produção de dez anos da fotógrafa entre as rodovias BR 101 Sul, PE-60, AL 101 e AL-435, estradas que ligam e entrecortam os dois Estados. “Como a mostra só foi exibida em Alagoas, no Museu da Imagem e do Som, acho de extrema importância trazer de volta essa riqueza cultural e fotográfica para que os pernambucanos também possam desfrutar. As fotografias reúnem personagem das duas unidades federativas e, através da pesquisa e catalogação das diversidades culturais de PE e AL, contribuem para o fortalecimento, conhecimento e preservação e visibilidade de nossas culturas”, disse Luciana.

O acesso à Casa Galeria Galpão é gratuito. Confira a programação completa do espaço durante o FIG 2015:

ARTES VISUAIS

Casa Galeria Galpão
De 19 a 25 de julho | 16h às 21h
Endereço: Av. Dantas Barreto, 34

Sonhadores
Daaniel Araújo
Exposição Work in progress

Criador de Memórias
Roberto Jaffier
Instalação/Performance

Sensibicidade
Adones Valença e Paulo Meira
Instalação Work in progress

Para Vender Utopias
Marcela Camelo Barros, Izidorio Cavalcanti, Charles Martins, Bruno Vieira
Instalação, Performance, Interação e Intervenção Urbana

Diálogo Ex-Positivo
Beth da Mata e Marcelo Silveira

Contato Sonoro
Leandro Oliván
Intervenção Urbana

Olhar
Rubens Costa
Exposição de Pinturas

DESIGN & MODA

Casa Galeria Galpão
De 19 a 25 de julho | 16h às 21h
Endereço: Av. Dantas Barreto, 34

Exposição Lendas Vivas
Andrey Salvador (Natal-RN)

Estampado da Cidade
Thalita Medeiros (Goiana-PE)

DÊ-BÔ-TÊ
Zé Lucas (Garanhuns-PE)

TEMPO GRÃO
Katarina Barbosa (Garanhuns-PE)

Contrafluxo
Caio Lobo (Garanhuns-PE)

Centro de Turismo e Lazer SESC Garanhuns
Rua Manoel Clemente, 185 – Santo Antônio

Sexta-feira, 24/7
19h30 – Desfile do estilista Augusto Alencar

FOTOGRAFIA

Casa Galeria Galpão
De 19 a 25 de julho | 16h às 21h
Endereço: Av. Dantas Barreto, 34

@FIGmatik
Iezu Kaeru

No Sertão dos Gerais
Ana Caroline de Lima

Vivências: Pernambuco – Alagoas
Luciana Ourique

A Praia
Marina Feldhues



Ascom